Especialistas reforçam papel dos Tribunais de Contas na gestão ambiental

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O último dia de debates do II Simpósio Internacional Sobre Gestão Ambiental e Controle de Contas Públicas foi aberto na manhã deste sábado (19), com a palestra do coordenador de ações ambientais do TCE-AM, conselheiro Júlio Pinheiro.

Com o tema “Auditorias Ambientais na Amazônia”, o painel trouxe um panorama sobre a importância da atuação dos Tribunais de Contas no controle ambiental.

“Nossa perspectiva deve ser do risco ambiental, e não do dano efetivamente praticado. Se nós aferirmos e fiscalizarmos os potenciais danos ambientais que podem vir a ser causados ainda no nascedouro, exigindo aquilo que a Lei determina como obrigatoriedade, nós minimizamos esses riscos”, explicou o conselheiro.

O Subprocurador Geral da República, Paulo Gustavo Gonet Branco trouxe a palestra “Aspectos Constitucionais do Controle Ambiental”. Para ele, os Tribunais de Contas são atores primordiais na defesa do meio ambiente, uma vez que suas atuações não se restringem apenas às questões formais que regem os atos da administração pública.

“Eficiência significa o uso adequado da máquina pública. Esse conceito de eficiência abre um enorme leque de oportunidades de ação para os Tribunais de Contas, já que são eles que irão julgar se as decisões dos gestores foram adequadas ou não”, disse.

As discussões foram mediadas pelo vice-presidente do TCE-AM, conselheiro Mário de Mello.

Controle ambiental
Já a palestra “O Controle Ambiental no Tribunal de Contas Europeu”, apresentada pelo auditor do Tribunal de Contas Europeu, Ernesto Roessing, explicou como funciona a atuação dos órgãos de controle fiscal e ambiental na União Europeia.

O advogado e professor de Direito Jorge Ulisses Jacoby Fernandes fechou o Painel I deste sábado com o tema “Controle das Licitações Sustentáveis”. A discussão apresentou a necessidade que os entes públicos têm em encontrar o equilíbrio entre eficiência econômica, via concorrências públicas, e eficiência ambiental.

“Licitar e gastar dinheiro público uma forma de o nosso país ser indutor de políticas públicas. Compras sustentáveis podem abranger, por exemplo, computadores verdes, equipamentos de escritórios feitos de madeira certificada, papéis recicláveis, entre outros. Quem vai estabelecer os critérios de compras é o órgão requisitante e, por isso, ele deve ser bem orientado e esse é o papel dos Tribunais de Contas”, afirmou.

Fotos: www.flickr.com/tce-am

Texto: Lucas Raposo

Vídeo promocional do Simpósio Internacional

Facebook

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: Server configuration issue
Please refer to our Error Message Reference.

Flicker

foto 00
foto 0
foto 1
foto 2
foto 3
foto 4
foto 5
foto 6
foto 7
foto 8
foto 9
foto 10
foto 11
foto 12
foto 13
foto 14
foto 15
foto 16
foto 17
foto 18
foto 19
foto 20
foto 21
foto 22
foto 23
foto 24
foto 25
foto 26
foto 27
foto 28
foto 29
foto 30
foto 31
foto 32
foto 33
foto 34
foto 35
foto 36
foto 37
foto 38
foto 39
foto 40
foto 52
foto 54
foto 43
foto 44
foto 45
foto 46
foto 47
foto 49
foto 51
foto 52
foto 53
foto 54
foto 55
foto 56
foto 57
foto 58
foto 59
foto 60
foto 61
foto 63
foto 65
foto 66
foto 67
foto 68
foto 69
foto 70
_MG_094
_MG_0795
_MG_0797
_MG_0816
_MG_0821
_MG_0847
_MG_0852
_MG_0855
_MG_0861
_MG_0864
_MG_0865
_MG_0868
_MG_0870
_MG_0872
_MG_0874
_MG_0937
_MG_0947
_MG_0952
_MG_0968
_MG_0972
_MG_0980
_MG_0982
_MG_0991
_MG_1003
_MG_1009
_MG_1018
_MG_1021
_MG_1022
IMG_0057
IMG_0060
IMG_0077

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart